July 18, 2018

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Criar Cerâmica pode ajudar a combater a depressão

July 9, 2018

Se você já colocou as mãos em um pedaço de argila, provavelmente teve uma noção das propriedades terapêuticas do material. A fisicalidade da argila e seu vasto potencial de criatividade atraíram artistas, artesãos e amadores por séculos. Esses praticantes há muito elogiam os benefícios restaurativos e meditativos da criação de cerâmica - e hoje, este é um método comprovado para a arteterapia.

 

O psicoterapeuta Joshua K.M. Nan, de Hong Kong, recentemente desenvolveu um estudo para medir os efeitos da arteterapia de argila em adultos com transtorno depressivo. Também sendo ele mesmo um ceramista, Nan observou que seus pacientes gostavam de trabalhar com argila e reconheceu que “a literatura de arte-terapia documentou muito pouco sobre os efeitos terapêuticos do trabalho com cerâmica, especialmente com métodos científicos mais rigorosos de pesquisa”.

 

Imagem cedida por Joshua Nan.

 

Em 2016, ele conduziu o estudo ao lado de Rainbow T. H. Ho, professor da Universidade de Hong Kong. Suas descobertas, publicadas no Journal of Affective Disorders em abril de 2017, sugerem que a criação de objetos a partir do barro pode ajudar os adultos com depressão a melhorar o humor, a tomada de decisões e a motivação.

 

A Organização Mundial de Saúde projeta que até 2030, a depressão afetará 350 milhões de pessoas e se tornará a “principal causa de doenças adaptadas à incapacidade no mundo. No entanto, indivíduos que sofrem de depressão atualmente têm pouca opção a não ser tomar antidepressivos (o que pode causar efeitos colaterais). Nan e Ho propuseram a terapia com argila como um tratamento alternativo viável.

 

Eles hipotetizaram que esta terapia poderia aliviar elementos da depressão em pacientes ambulatoriais adultos com depressão e previam que, por meio do envolvimento com a argila, os participantes “seriam capazes de melhorar sua saúde geral, bem-estar holístico corpo-mente-espírito e a capacidade cognitiva para sentimentos articulados ”, diz Nan.

 

O método é projetado para envolver ativamente indivíduos deprimidos, tanto física como mentalmente, através de uma variedade de exercícios com argila, variando de projetos simples a progressivamente mais complexos. Através do processo, segundo a teoria, os adultos podem descobrir novas maneiras de entender e expressar seus pensamentos e emoções.

 

Imagem cedida por Joshua Nan.

 

Para o estudo, Nan e Ho recrutaram 106 adultos de ambulatórios de saúde mental em Hong Kong. De 18 a 60 anos, os pacientes neste conjunto de amostra foram diagnosticados como tendo pelo menos uma forma leve de depressão.

 

Os participantes foram divididos em dois grupos. Indivíduos de um grupo se engajaram em artes visuais e artesanato tradicionais com assistentes sociais ou tutores; no outro grupo, eles aprenderam a criar objetos cerâmicos de arte terapeutas treinados que tinham experiência em trabalhar com argila. Este último grupo empregou várias técnicas e processos cerâmicos, como amassar, fazer potes e esculturas manualmente, vitrificar e queimar.

“Essas esculturas estavam associadas a experiências significativas de vida, entes queridos ou auto representação interna incorporada”, explica Nan. "Este exercício ajuda os pacientes a utilizar várias funções neurológicas, como julgamento visual, processos motores sensoriais e alto nível de funções cognitivas." Essas decisões e julgamentos poderiam estar relacionados desde a cor escolhida pelo participante até as qualidades e formas particulares dadas a um objeto.

 

Ao longo do estudo, observa Nan, eles usaram métodos quantitativos para medir vários aspectos da regulação emocional, como humor positivo/negativo e interações entre cognição e emoção - todos os quais “estão intimamente relacionados à compreensão convencional dos sinais e sintomas de Transtorno Depressivo ”. Eles descobriram que aqueles que estavam fazendo a terapia com cerâmica tiveram níveis mais baixos de depressão e melhoraram sua disposição diária, a saúde mental geral e o bem-estar holístico.

 

A terapia usando argila, descobriu Nan, ativa as “habilidades criativas inatas” dos pacientes e transforma emoções negativas (como desespero ou desânimo) em emoções positivas (como esperança, surpresa, satisfação e alegria). O que o diferencia de outras formas de arte terapia, ele acredita, é a maleabilidade característica da argila e o esforço físico que ela requer.

 

Imagem cedida por Joshua Nan.

 

"É especialmente significativo que a terapia com argila tenha mostrado efeitos sobre as habilidades de despertar emoções positivas em indivíduos com depressão", continua ele, acrescentando que essas áreas são particularmente valiosas, uma vez que a depressão proíbe a capacidade de gerar emoções e memórias positivas.

 

Ele observa, no entanto, que, assim como o consumo de antidepressivos, a arte terapia deve ser praticada por um período de tempo significativo antes que um indivíduo possa sentir seus efeitos.

 

Mas, em sua opinião, os benefícios de encontrar o potencial artístico através do barro podem superar em muito o compromisso necessário com o meio. “A experiência de testemunhar como o barro transcende em uma peça de arte de cerâmica lindamente esmaltada após a queima”, observa Nan, “é paralela ao processo transformador de descobrir a identidade de um artista depois de carregar um estigma de doença mental”.


Artigo traduzido. Confira o original clicando aqui.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags